PM é preso após fazer disparos e ferir quatro pessoas na Barra durante festa pró-Bolsonaro

Caso ocorreu na noite de domingo (28), em Salvador. SSP-BA informou que policial teria discutido com ambulante e depois efetuou os disparos.

Um soldado da Polícia Militar foi preso na noite de domingo (28), após efetuar disparos de arma de fogo e ferir quatro pessoas no bairro da Barra, em Salvador. O caso ocorreu durante a festa de comemoração à eleição do presidente Jair Bolsonaro (PSL). As informações são da Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA).

De acordo com a SSP-BA, informações preliminares apontam que o policial Manoel Landulfo Sampaio discutiu com um ambulante, sacou a arma e disparou vários tiros, atingindo quem estava por perto. O crime ocorreu, na Rua do Gavazza, no bairro.

Na ocasião, policiais da Companhia de Patrulhamento Tático Móvel (Patamo), que estavam nas proximidades, detiveram o PM em flagrante. O policial foi conduzido à Central de Flagrantes.

Uma das testemunhas que estava no meio da confusão relatou a situação. “Ele [o PM] surgiu do nada e teve uma discussão que também começou do nada. Ele [o PM] tentou dar um soco no rapaz e imediatamente já puxou a arma, deu dois disparos nele [na vítima] e começou a atirar a ermo. Nessa hora, nós nos jogamos no chão, a multidão começou a se jogar no chão, a banda parou, a polícia veio rapidamente e atuou”, contou.

Ainda segundo a SSP-BA, as vítimas foram encaminhadas para os hospitais Português e Geral do Estado. Não há informações sobre o estado de saúde delas.

Ainda na noite de domingo, uma jovem de 19 anos ficou ferida após uma confusão entre militantes do PT e policiais militares, no bairro do Rio Vermelho, em Salvador. Um vídeo gravado por testemunhas mostra o momento da agressão.

Houve disparo de arma de fogo para cima, feito por PMs, conforme a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA).

De acordo com amigos da vítima, que preferiram não se identificar, a jovem, que é estudante da Universidade Federal da Bahia (Ufba), teve um corte na cabeça após ser agredida com um cassetete por um policial militar.

A situação ocorreu no Largo de Santana, mais conhecido como Largo da Dinha, local onde tradicionalmente são feitos encontros dos militantes do Partido dos Trabalhadores (PT) após as eleições.

Rio Vermelho, em Salvador — Foto: Alan Oliveira/ G1

Rio Vermelho, em Salvador — Foto: Alan Oliveira

Segundo testemunhas, o caso aconteceu depois que eleitores do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) passaram pelo local, em carros, fazendo supostas provocações aos petistas que estavam no Rio Vermelho.

Conforme as testemunhas, após a situação, houve uma discussão entre um homem e alguns policiais. A vítima teria tentado intervir e, na confusão, acabou agredida.

Após ser atingida, a jovem caiu no chão e foi amparada por uma irmã e amigos, que estavam com ela. A estudante foi levada para o Hospital Geral do Estado (HGE), onde segue internada. Ela está consciente e tem quadro de saúde estável, segundo amigos.

Em nota, SSP-BA, informou que “a confusão começou durante passagem de alguns veículos que comemoravam o resultado da eleição para presidente da república”. Segundo a SSP, na situação, os PMs agiram para evitar brigas generalizadas, foram agredidos “e usaram força proporcional”. A Secretaria afirma que uma mulher, ainda não identificada, foi detida, mas não detalhou se foi a jovem ferida.

Após o ocorrido, a área teve o policiamento reforçado por agentes do Batalhão de Choque da Polícia Militar. Militantes que estavam no local relataram que o clima ficou tenso e que muitas pessoas prefeririam ir embora.

No Twitter, o governador da Bahia, Rui Costa, condenou os atos de violências ocorridos no Rio Vermelho e disse que pediu apuração rigorosa sobre o caso. “Condeno os atos de violência que ocorreram na noite de hoje no Rio Vermelho. Assim que tomei conhecimento dos fatos, determinei ampla e rigorosa apuração da ação policial pela Secretaria de Segurança Pública. O caso será levado imediatamente à Corregedoria da Polícia Militar”, afirmou o governador.

Ainda em nota, a SSP informou que uma equipe da Polícia Civil foi deslocada para a 7ª Delegacia, no Rio Vermelho, para emitir guias de corpo de delito para militantes e PMs envolvidos na situação. Segundo a Secretaria, a Corregedoria da PM também já iniciou a apuração do caso e fará a ouvida dos envolvidos ainda neste domingo. A jovem agredida deve ser ouvida após receber alta.

Compartilhar