Turistas lotam Cachoeira para conferir a Flica, que vai até domingo (14)

De Salvador, são cerca de 2h até Cachoeira; além da Flica, cidade tem vários pontos turísticos e recebe Festa do Rosário

A professora de políticas públicas Inês Ferreira, 55 anos, partiu cedinho de Salvador nesta sexta-feira (12) rumo a  Cachoeira, a 110 km da capital. A cidade do Recôncavo está um verdadeiro fervo: recebe desde quinta a oitava edição da Festa Literária Internacional de Cachoeira (Flica). Com programação totalmente gratuita, a Flica, que termina neste dominho (14), é realizada pela iContent e Cali e tem patrocínio do governo do estado, apoio da prefeitura de Cachoeira, Caixa e governo federal.

“Trouxe meus alunos na edição do ano passado e voltei este ano. Além das diversas atrações culturais pela cidade, o evento promove a leitura. Busco participar de eventos como esse para ampliar minha visão crítica sobre as coisas que estão acontecendo no mundo”, contou Inês, que esteve na cidade acompanhada do companheiro, André Silva, 45. Como os hotéis estão lotados, o casal preferiu fazer um bate-volta e veio para Cachoeira de carro.

De Salvador, são cerca de 2h até Cachoeira. De ônibus, a empresa de transporte Santana oferece diversos horários, com passagem a R$ 26,48. Boa parte do público da Flica sai das cidades próximas a Cachoeira, como Santo Antônio de Jesus, Cruz das Almas e Feira de Santana.

Como a estudante Isabelle Lima, 22, da vizinha São Félix, que foi conferir a Fliquinha – que reúne crianças e adolescentes em bate-papos, apresentações, recitais e espetáculos. Em seu terceiro ano no evento, ela levou a filha, Ágata Samile, 4, e os sobrinhos para comemorar o Dia das Crianças. “É uma festa muito importante para o aprendizado não só das crianças, mas de adultos. No mundo em que as tecnologias estão cada vez mais fortes, precisamos lembrar que ler muda vidas”, destacou Isabelle, que é poeta e sonha em lançar um livro.

Compartilhar