Proprietário do Camaçari KART é preso e acusado de liderar quadrilha especializada em roubo à empresários

O dono do Camaçari Kart, Hélder Jackson de Moraes foi preso na madrugada desta terça (11), por volta das 2h40, acusado de liderar uma quadrilha na cidade. Juntamente com ele, os demais “membros” do bando também foram apreendidos. A especialidade do grupo era assalto à empresários da região, articulados por Hélder, por ser, segundo a polícia, conhecido na cidade e ter acesso a maioria das vítimas.

phpThumb_generated_thumbnail

A polícia chegou até a quadrilha após uma denúncia de assalto na residência de um empresário na manhã de ontem, no bairro da Piaçaveira. Presos em flagrante, o bando roubou da última vítima um carro Corsa, 11 relógios da marca Invicta, aparelhos celulares, um notebook e R$ 6.000,00 em espécie. O veículo foi encontrado abandonado na Estrada das Cascalheiras.

De acordo com o sargento do Serviço de Missões Especiais (SME), do 12º Batalhão da Polícia Militar, Namucieis Souza, já havia uma lista com as próximas vítimas. Em março estava previsto ser assaltar o dono do espaço Carrapicho, José Carlos. Veja a baixo o nome dos apreendidos e o que foi encontrado com eles, no momento da prisão.

Hélder Jackson Pereira de Moraes – com o chefe da quadrilha foi encontrado um veículo Toyota Hilux; um pistola 6.35 com uma munição intacta; documentos de possíveis vítimas e R$ 3.452,00 em dinheiro.

Joelson Macedo de Andrade (não é o político) – ele era o apoio logístico da quadrilha. Foi preso no centro de Camaçari, com um Chevrolet Montana e R$ 1.250,00.

phpThumb_generated_thumbnail (1)

Adilton de Melo Carvalho – funcionário da empresa Ford, com ele foi encontrado um revólver calibre 38, com oito munições intactas; uma espingarda calibre 20, com 25 cartuchos também intactos; uma carbina de ar comprimido; vários materiais desviados da empresa que trabalhava; mais de mil chaves tipo canivete; aparelhos celulares; pneus; extintores tipo ABC; 10 relógio da marca Invicta e R$ 1.900,00 em espécie.

Julijandison Miranda de Oliveira – com ele um notebook HP; dois revólveres calibre 38, com 11 munições intactas; um relógio da Invicta; um celular e R$ 1.644,00 em dinheiro.

Orlando Rodrigues dos Santos – ele era quem levantava as possíveis vítimas.

Compartilhar