“Só Deus para resolver o meu problema”, diz suspeito de estuprar estudantes da Ufba

O auxiliar de cozinha Ramon Tiago Santos de Lima, de 24 anos, suspeito de estuprar três estudantes da Universidade Federal da Bahia (Ufba), é apresentado na manhã desta sexta-feira, 27, na sede da Polícia Civil, em Salvador.

Ramon foi preso em casa na noite desta quinta, 26, na rua Cardeal Jean, no bairro do Rio Sena, e interrogado por volta das 22h. À polícia, ele afirmou que o objetivo era roubar as vítimas para quitar uma dívida com um agiota, adquirida para pagar a fiança do irmão, que estava preso em Feira de Santana.

Segundo o delegado Delmar Bittencourt, do Departamento de Crimes Contra o Patrimônio, a investigação começou no dia 17 de maio, quando ocorreu o primeiro crime, no campus de Ondina. A vítima foi violentada após abastecer o veículo, que ficou com o suspeito. O segundo estupro foi cometido no dia 9 de julho, no campus do Canela. Já o terceiro aconteceu no dia 20 de julho, também em Ondina.

“Um dos nossos questionamentos era sobre o local. Ele disse que, na rua, ele se sentiria inseguro, porque poderia ser pego. Já na UFBA, ele se sentia seguro para abordar as vítimas”, explicou Bittencourt, sobre o local escolhido pelo suspeito para abordar as vítimas.

O delegado ressalta ainda que todos os crimes foram cometidos de forma semelhante, entre 18h55 e 19h05. Ramon roubou R$ 120 da primeira vítima, um cartão de banco da segunda – utilizado em postos de combustíveis para, em seguida, pedir o reembolso em dinheiro – e R$ 1.900 da terceira. Os frentistas dos postos foram demitidos mas, de acordo com o delegado, eles não têm relação com o suspeito.

Duas estudantes foram abordadas com uma faca, e outra afirmou que Ramon utilizou uma pistola para ameaçá-la. Nenhum das armas foi encontrada na casa dele. Após cometer os crimes, o auxiliar de cozinha abandonava os veículos no Rio Sena.

Material biológico

Segundo a polícia, duas das vítimas foram estupradas sem proteção. O material biológico coletado será avaliado para confirmar o crime. No local da prisão, foram encontrados uma bolsa, um chaveiro e um celular, que pertenciam às estudantes.

“Iremos ao local do crime com o suspeito para recapitular os passos”, explica o delegado. A escolha das garotas era aleatória, com base naquelas que pareciam estar mais distraídas.

Uma das vítimas chegou a ser internada, após ficar abalada com a situação, mas já recebeu alta. A identidade das três está sob sigilo, a pedido das famílias.

Ramon tem três filhos e não possui antecedentes criminais. Ele trabalhou em uma grande rede de restaurantes como garçom e, no momento, estava desempregado. À polícia, ele afirmou que não sabe porque estuprou as estudantes. “Só Deus para resolver o meu problema”, disse o suspeito durante a apresentação.

Compartilhar