Ana Rita Tavares pede a novo secretário de Saúde mais sensibilidade à causa animal

A vereadora Ana Rita Tavares desejou boa sorte ao novo secretário de Saúde do município, Luiz Antônio Galvão, que assumiu o cargo na última segunda-feira (18), empossado pelo prefeito ACM Neto, juntamente com outros quatro nomes.

A edil pediu maior dedicação e sensibilidade com as pautas e demandas da causa animal no munícipio de Salvador, algo que não foi cumprido pelo antigo secretário da pasta.

“Na gestão do antigo secretário, apresentei alguns projetos de indicação para que a Prefeitura pudesse dar continuidade a implantação de políticas públicas, mas eles não receberam a devida atenção. A prefeitura, assim como faz pelos humanos, deve fazer pelos animais”, destacou a vereadora.

Ana Rita ainda cobrou ao novo secretário mudanças nos procedimentos do Castramóvel, para tornar o serviço mais eficiente e menos dispendioso à população, a exemplo da redução de quantidade de dias de comparecimento ao local.

“Hoje, a pessoa tem que ir ao Castramóvel em uma segunda ou terça-feira para avaliar se o animal tem condições de ser operado, e depois disso tem que retornar em uma quarta ou quinta-feira para fazer a cirurgia. As pessoas que recorrem a esse serviço gratuito são carentes. É oneroso para elas pagar dois transportes e, muitas vezes, faltar dois dias de trabalho”, explica a edil.

A vereadora argumenta que nas clinicas os procedimentos são realizados em um só dia. “Por que, então, fazer diferente no Castramóvel?”

Outro pleito não atendido pela Secretaria de Saúde é a falta de medicamentos para o pós-operatório dos animais levados ao Castramóvel e às clinicas contratadas pelo município para fazer castração de cães e gatos.

“A população carente leva seu animal, porém, como não tem condições de comprar os medicamentos indicados para o pós-operatório, o animal, muitas vezes, acaba apresentando infecção, indo a óbito após a cirurgia. A prefeitura precisa fornecer esses medicamentos”, relatou.

A vereadora aproveitou para lembrar que já havia indicado à prefeitura uma verba para essas mudanças, mas não foi atendida.

“Em 2014, indiquei 500 mil reais para a compra de vacinas antivirais e medicamentos pós-operatórios do Castramóvel. Mas isso infelizmente, até hoje, não foi feito pela prefeitura”, pontuou Ana Rita.

Compartilhar