Mulher que se negou a ser atendida por funcionários negros em delicatessen é liberada após audiência de custódia

Informação foi divulgada pelo Tribunal de Justiça da Bahia, neste domingo. Suspeita de injúria racial foi presa no sábado, em Salvador.

liberdade-provisoria

mulher que se recusou a ser atendida por funcionários negros em uma delicatessen de Salvador foi liberada após audiência de custódia, neste domingo (7). A informação foi divulgada pelo Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA).

Como é ré primária e não apresenta antecedentes criminais, a liberdade provisória da suspeita foi concedida. De acordo com a decisão da juíza Luciana Amorim, a defesa alegou que a mulher sofre de transtorno mental de natureza incurável.

A decisão da juíza Luciana Amorim determinou que a mulher não poderá mudar de residência sem permissão da autoridade processante e deve comparecer todas as vezes que for intimada para atos do inquérito e da instrução criminal, sob pena de revogação da liberdade.

A suspeita também deve apresentar, em no máximo 60 dias, um laudo médico psiquiátrico a respeito da sanidade mental dela. Ela também não poderá ausentar-se da própria residência por mais de 30 dias, sem comunicar o local onde será encontrada.

Caso haja descumprimento das obrigações impostas pela juíza, a mulher poderá ter a prisão preventiva decretada. A suspeita estava detida na Central de Flagrantes desde a tarde de sábado (6).

Caso

O caso aconteceu no sábado, na delicatessen Bonjour, na Rua Rio Grande do Sul, bairro da Pituba, em Salvador. A Polícia Militar foi acionada após informações de que uma mulher estava fazendo ofensas racistas contra funcionários negros do estabelecimento.

No local, os PMs tentaram conter a situação, mas a mulher desacatou também o sargento comandante da guarnição do Pelotão de Emprego Tático Operacional (Peto) da unidade. De acordo com a PM, ela foi apresentada na Central de Flagrantes, onde a ocorrência foi registrada. Ela ficou detida até a audiência de custódia, realizada neste domingo.

Em nota, o estabelecimento informou que a cliente falou no local que não queria ser atendida no buffet por funcionários negros. Outra cliente interviu, partiu em defesa do grupo de funcionários e chamou a polícia. Ainda em nota, a delicatessen repudiou o ato racista da cliente.

Compartilhar