Jovem de 19 anos é espancado e queimado vivo em Rio Sena

jovem rio sena

“Estava no trabalho, quando recebi esse vídeo aqui. Antes, algumas pessoas me ligaram perguntando por ele, achei que estava na casa da mãe, em Sussuarana. Mas já estava morto”, contou um vigilante, sob anonimato, enquanto mostrava, no celular, uma gravação na qual o filho, o vendedor ambulante Rafael Jorge Leal Oliveira, de 19 anos, é brutalmente espancado e queimado vivo.

PUBLICIDADE        

Ele recebeu o vídeo via WhatsApp, na tarde desta sexta-feira, 5, horas após o corpo do jovem ser localizado em um matagal de difícil acesso, na rua Pergentino Pimentel, em Rio Sena, Subúrbio Ferroviário de Salvador, parcialmente carbonizado.

Testemunhas relataram à polícia que o rapaz foi raptado, na tarde da quinta-feira, na rua Direta do Cruzeiro, no mesmo bairro, por um grupo de homens que estava em um carro de dados não anotados. Rafael estava a poucos metros de casa, quando foi surpreendido pelos criminosos.

Segundo o pai dele, o crime pode ter sido motivado por causa de uma rixa entre moradores das duas ruas. Ele não explicou por qual motivo existe a desavença entre as localidades.

“Quando era jovem, andava isso tudo aqui. Agora, a gente não pode mais. Quem mora em uma rua, não pode ir na outra”, lamentou ele, ao lembrar o passado.

Mãe lamenta

Segundo a mãe de criação de Rafael, embora ele fosse usuário de drogas, era um filho maravilhoso, tranquilo, brincalhão e muito trabalhador.

“Ele era meninão, gostava de trabalhar. Saiu lá de casa [Sussuarana], ontem [quinta-feira] à tarde, disse: ‘mãe, vou em casa [Rio Sena] e  volto’. Mas não voltou. Achei que tivesse ido trabalhar hoje [ontem], saía bem cedo para vender nos ônibus”, relembrou a mulher, a última conversa que teve com o jovem.

Ela é casada com o pai de Rafael e o criava desde os 4 anos. O rapaz é um dos quatro filhos do vigilante.

Buscas por suspeitos

A delegada Marilene Lima, do Departamento de Homicídios, pede que a população ajude a polícia a identificar os dois homens que aparecem no vídeo executando Rafael.

Nas imagens, é possível ver que, enquanto o rapaz agoniza, amarrado, um dos criminosos chuta seu rosto, e outro joga um líquido sobre ele e ateia fogo. A delegada apura se outras pessoas participaram do crime.

Compartilhar