Reunião trata de impasse na divisão de tarifa de ônibus

onibus salvador

Com o objetivo de solucionar o impasse da integração de meia-passagem entre ônibus metropolitanos e coletivos de Salvador, representantes da prefeitura e do governo do estado vão se reunir nesta sexta-feira, 6. O horário e local da reunião ainda serão definidos.

PUBLICIDADE        

Esse mesmo tema foi discutido, no fim da tarde desta quarta, com técnicos municipais da Secretaria de Mobilidade (Semob), da Secretaria de Desenvolvimento Urbano (Sedur) e empresários de ônibus. O encontro, no entanto, não firmou acordo entre as partes.

“A Semob defende que a maior parcela do valor da tarifa de ônibus (R$ 3,60) fique com o sistema que rode mais, ou seja, R$ 2,18 destinados aos coletivos urbanos e R$ 1,42 para os metropolitanos”, argumenta o secretário Fábio Mota (Semob), que enviou representantes da pasta à reunião.

Mota ainda lembra dos passageiros que partem de Salvador para estudar nas cidades da região metropolitana. “A integração de meia-passagem também tem de acontecer entre os ônibus urbanos com os metropolitanos, pois há uma boa quantidade de estudantes que faz faculdade em Lauro de Freitas, por exemplo”, diz o secretário.

Já o governo do estado, por meio da assessoria de comunicação da secretaria da Casa Civil, informa que vai analisar as propostas apresentadas no encontro de quarta. Em nota, a pasta observa que todas as partes acordaram realizar estudos técnicos para a reunião desta sexta-feira.

Sobre o balanço da conversa de ontem, a Integra [associação dos empresários de ônibus] divulgou que, antes de apresentar uma nova proposta, vai apurar os dados do sistema Salvador Card.

“O estudo vai levar em conta a quantidade de estudantes que pagam meia-passagem e que fazem a integração com o transporte metropolitano. Ressalto que a negociação é complexa, uma vez que tem de ser feita com muita análise, pois o sistema passa por um déficit financeiro muito sério”, diz a assessora técnica da Integra, Ângela Levita.

Prejuízo

Os estudantes que utilizam o sistema de meia-passagem não foram contemplados com a integração “total” entre os ônibus metropolitanos, metrô e coletivos urbanos, iniciada no último domingo. Por isso, caso necessitem utilizar os três sistemas de transporte, esses usuários precisam pagar duas vezes, sendo uma tarifa meia e o valor inteiro.

Moradora do município de Lauro de Freitas (Grande Salvador ), a estudante da 8ª série do ensino fundamental Alice Mota afirma ter “prejuízos diários” ao se deslocar de casa para a escola, na avenida Paralela.

“Meu colégio é longe da estação de metrô, por isso sou obrigada a pegar mais um ônibus, até porque, além de distante, o caminho até a escola é perigoso para ir andando”, reclama Alice.

Ela ainda se queixa da lotação das estações de metrô em horários de pico.

“Perco muito tempo só para atravessar a passarela da Estação Mussurunga”, revela a estudante, que reclama agora de ter que acordar mais cedo para não perder aula.

Sobre a lotação na Estação Mussurunga, a CCR [empresa que opera o metrô da capital] justifica que funcionários organizam os passageiros em fila na passarela provisória. A empresa prevê a inauguração de uma nova passarela para o mês de dezembro.

Compartilhar