Servidora da Previdência desvia R$2,7 milhões com beneficiários que já morreram na Bahia

Servidora da Previdência desvia R$2,7 milhões com beneficiários que já morreram na Bahia

Uma servidora da Previdência Social e seus familiares foram descobertos pela Polícia Federal em uma fraude que desviou quase R$3 milhões, na cidade de Maragogipe, que fica a 130 quilômetros de Salvador. A quadrilha especializada em fraudar benefícios de pensão por morte foi desarticulada na manhã desta quarta-feira (26).

A servidora, que não teve o nome divulgado, atuava desde 2006 junto a seus familiares. Eles eram usados como representantes legais dos falsos beneficiários. Segundo a Polícia Federal, até agora, o prejuízo chega a R$2.700,000,00. Os envolvidos serão indiciados pelos crimes de estelionato qualificado e associação criminosa. As penas podem chegar a nove anos de prisão.

Servidora usava pessoas mortas
Segundo a Polícia Federal, a servidora cadastrava pessoas fictícias no Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS) na categoria de trabalhadores rurais ou segurados especiais.

Para receber o benefício, ela usava CPF e identidade de pessoas que já faleceram, modificando a data da morte com até 7 anos anteriores à data da entrada do requerimento. Por conta disso, o sistema da Previdência gerava valores atrasados a receber.

Ela cadastrava a si própria e os familiares como administradores provisórios do benefício. A PF afastou a servidora do trabalho e bloqueou as contas bancárias da família envolvida.

A operação, denominada de Barbarossa, contou com a participação de 25 Policiais Federais e 07 servidores da Previdência social. Entre as ações, foram cumpridos cinco mandados de busca e quatro conduções coercitivas.

 

Compartilhar