Almir Santana entrevista Maria da Penha: “As coisas melhoraram, mas não estão perfeitas”

Nascida em Fortaleza -CE, Maria é uma farmacêutica brasileira que lutou para que seu agressor viesse a ser condenado.

maria-da-penha low
Com 71 anos e três filhas, hoje ela é líder de movimentos de defesa dos direitos das mulheres, vítima emblemática da violência doméstica.

No dia internacional da mulher, O apresentador Almir Santana entrevistou Maria da Penha Maia Fernandes. Nascida em Fortaleza -CE, Maria é uma farmacêutica brasileira que lutou para que seu agressor viesse a ser condenado.

Com 71 anos e três filhas, hoje ela é líder de movimentos de defesa dos direitos das mulheres, vítima emblemática da violência doméstica.

Em 7 de agosto de 2006, foi sancionada pelo ex presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva a Lei Maria da Penha[1], na qual há aumento no rigor das punições às agressões contra a mulher, quando ocorridas no ambiente doméstico ou familiar.

Questionada por Almir Santana sobre os avanços da Lei, Maria explicou a necessidade do poder público na efetivação da legislação, Trabalho com muito compromisso para a implementação da lei, na divulgação e necessidade. Fazendo com que os gestores públicos se comprometam a criar as políticas públicas que façam com que a lei saia do papel. Nenhuma mulher está livre da violência doméstica, precisamos estar unidos para que essa lei funcione efetivamente para garantir o futuro não violento para nossas filhas. Se você mulher, está em um relacionamento que não te dá alegria ou conforto, é necessário que você deixe esse relacionamento. Nem sempre é possível sair, a não ser que você vá denunciar. Na época que fui vitima de violência doméstica, nem delegacia de mulher existia no país, e mesmo após a criação da delegacia não existia legislação para dar garantia, ou apoio”, explicou.

Maria da Penha falou também sobre o espaço da mulher na sociedade. Segundo Maria, as coisas melhoraram mas não estão perfeitas, “Muito ainda falta. Estarmos comemorando o dia mundial da mulher com toda imprensa, expondo as dificuldades e os avanços, isso vai ajudando a desconstruir a cultura machista”.

Da mesma forma o apresentador Almir Santana, perguntou sobre as dificuldades das mulheres negras. Conforme recente pesquisa, As mulheres negras recebem menores salários em comparação as mulher brancas. Maria explicou seu ponto de vista: “Se o trabalho executado é o mesmo, por que essa diferença? Essa é uma questão de cultura que precisa ser desconstruída assim como a violência doméstica. Essas questões precisam ser expostas para que a sociedade tome conhecimento”.

Perguntada sobre o maior conquista da mulher nos últimos vinte anos, Maria respondeu: “Segundo a ONU, a Lei Maria da Penha, é uma das três leis mais importantes do mundo em relação a violência doméstica.”

Questionada sobre envolvimento na política, Maria indiciou não ter interesses no setor público, “Não. Convites não faltaram, mas a minha luta já é muito grande”. Sobre mulheres na política, Maria salientou: “A gente precisa fazer aquilo que gosta, eu não gostaria de ser política. Admiro as mulheres que são. Mas prefiro continuar militante”.

Em suas considerações finais, Maria da Penha salientou a participação de homens na luta contra violência, “Nós temos ao nosso lado muitos homens que reconhecem a mulher como uma pessoa de direitos, com isso precisamos garantir o funcionamento da Lei da Maria da Penha para garantir um futuro sem violência para nossas descendentes, por isso temos homens e mulher nessa luta”.

Compartilhar