Neto não descarta deixar de disputar reeleição

Segundo a coluna Tempo Presente, do jornal A Tarde, a administração municipal perdeu R$ 40 milhões de receita do mês passado para cá. Só no Fundo de Participação dos Municípios foram 18,3% a menos. No ICMS, 11,2%.

A especulação de que o prefeito ACM Neto (DEM) pode realmente deixar de disputar a reeleição no pleito deste ano ganhou ainda mais contornos nesta quinta-feira (7). Com o anuncio da filiação do secretário municipal de Educação, Guilherme Bellintani, cogitou-se a possibilidade do titular da pasta ser candidato à prefeitura de Salvador no lugar de Neto.

O motivo para o prefeito desistir da reeleição seria a difícil situação financeira que afeta o país e derrubou a receita da capital baiana. Segundo a coluna Tempo Presente, do jornal A Tarde, a administração municipal perdeu R$ 40 milhões de receita do mês passado para cá. Só no Fundo de Participação dos Municípios foram 18,3% a menos. No ICMS, 11,2%.

A avaliação é de que com menos dinheiro em caixa, a prefeitura não teria como prosseguir com os investimentos. Assim sendo, o segundo mandato de Neto não teria o mesmo desempenho do primeiro, o que provocaria um desgaste na imagem do gestor municipal. Nesta perspectiva, o tornaria um candidato mais fraco para o Governo da Bahia nas eleições gerais de 2018. Essa análise é rechaçada por aliados.

Em janeiro deste ano, o líder do governo na Câmara, vereador Joceval Rodrigues (PPS), ressaltou que a reeleição de Neto é uma vontade do povo. “É claro que o prefeito que deve fazer essa avaliação pessoal. Nas ruas, podemos sentir que a população quer a recondução dele. A situação econômica é um fato significativo, relevante, mas o prefeito vai primeiro querer ouvir as pessoas nas ruas”, analisou.

Nos bastidores da política, surgiu outra possibilidade. Neto também pode desistir para compor uma chapa se houver novas eleições gerais este ano com a queda da presidente Dilma Rousseff (PT) e do vice Michel Temer (PMDB).

Questionado se pode desistir mesmo da reeleição, Neto respondeu: “em nenhum momento, eu disse que seria candidato, ainda não admiti a candidatura à reeleição”. “Tenho dito sempre que o calendário eleitoral foi postergado esse ano e só vou começar a discutir política eleitoral em junho, perto do São João”, afirmou.

Ao falar sobre Bellintani no DEM, o prefeito teceu elogios ao titular da pasta. “A filiação de Guilherme representa um passo importante. Afinal de contas, a Educação é uma área de destaque na nossa cidade e ele é um dos grandes quadros que temos em Salvador. Ele está preparado para desempenhar qualquer função na vida pública seja aqui ou fora daqui. É importante para o Democratas, que é meu partido, ter um quadro da competência e qualidade de Bellintani”, pontuou.

Críticas

O certo é que o prefeito passou a adotar, em seus discursos, críticas contundentes ao PT. Nesta quinta, durante a inauguração do Centro Unificado de Inclusão, Desenvolvimento, Assistência e Referência Social (Cuidar), no Comércio, fez questão de citar o partido.

Disse que “o Partido dos Trabalhadores garantiu a maior crise política e econômica da história do país”. Ressaltou que os membros da legenda não tiveram vergonha “de fazer o maior estelionato da história”. “E o dinheiro do povo foi para onde? Para corrupção”, atacou o democrata.

Compartilhar