Polícia identifica quadrilha por trás de caso de injúria racial a casal na web

A Polícia Civil de Muriaé já identificou mais de 50 internautas envolvidos no crime de injúria racial ocorrido com um casal de namorados de Muriaé, após publicação de fotos no Facebook. Segundo o delegado responsável pelo caso, Eduardo Freitas da Silva, eles não agiram de forma individual e ainda podem responder por outro crime: formação de quadrilha. “A maioria se organizou para aquele fim específico – de denegrir a imagem das vítimas. Nesse caso, além da injúria racial há o crime de formação de quadrilha”, explicou.

O delegado Eduardo afirmou ainda que foi feita uma parceria com a Delegacia de São Paulo, visto que a maioria dos identificados são de lá. Ele deve ir até a capital para acompanhar o desenrolar das investigações e possíveis autuações, mas a data ainda não foi definida.

Maria das Dores Martins, de 20 anos, e Leandro, de 18 anos, namoram há um ano e oito meses e esta foi a primeira vez que eles foram vítimas de preconceito. Em julho, a foto do casal foi publicada na rede social em modo público (ou seja, aberta para qualquer internauta da rede ver, curtir ou comentar) e em agosto começaram as manifestações ofensivas. Dentre os comentários estavam frases como: “Onde comprou essa escrava?”, “Seu dono?”, “Me vende ela”, “Parece que estão na senzala” e “Eu acho que você roubou o branco pra tirar foto”. Um dos comentários teve “aprovação” de 24 pessoas.

Segundo a polícia, a maioria dos agressores é de São Paulo e tem idade entre 15 e 20 anos. A polícia também verificou alguns perfis como falsos. O G1 procurou o casal nesta terça-feira (2) para falar sobre o assunto, mas as ligações não foram atendidas.

Crime recorrente
Eduardo Freitas ressaltou que a quadrilha também foi identificada em crimes envolvendo outros casais. “Eles agem de forma orquestrada e escolhem as vítimas aleatoriamente. No caso do casal de Muriaé, eles até criaram uma página [na rede social]. Nesse espaço, o grupo utilizou de xingamentos e insultos para difamar as vítimas”, confirmou.

O delegado garantiu que a intenção da polícia é identificar o chefe da quadrilha, que se reúne com intuito de promover insultos racistas. Sobre a página criada que ainda está no ar, o delegado disse que as pessoas podem denunciar para que ela seja excluída o quanto antes pelo Facebook. “O banco de dados do Facebook fica nos Estados Unidos. Por esse motivo é necessário mais tempo para que uma solicitação seja atendida. A sociedade pode auxiliar no processo fazendo as denúncias”, ressaltou.

Compartilhar